Convocatória aos PUEBLOS de NUESTRA AMERICA

sábado, 9 de marzo de 2013

LIBERDADE DE EXPRESSÃO





LIBERDADE DE EXPRESSÃO


Laerte Braga

“O mundo é um fluxo caótico e sem sentido; e ser real, ser parte do mundo do fluxo, é parecer. Aparência não mascara a realidade; a aparência é a realidade. Ou melhor: agora podemos nos livrar totalmente desses conceitos, aparência e realidade. Só o que podemos dizer é que existe o fluxo” (Mark T. Conrad, OS SIMPSONS E A FILOSOFIA, Madras, São Paulo).

A mídia de mercado, hoje globalizada em função dos interesses do capitalismo, percebe isso com tranquilidade e sabe como dirigir o fluxo caótico e sem sentido, no sentido e na direção do papel que tem a cumprir na aparência-realidade.

O ex-goleiro Bruno já estava previamente condenado e Chávez é mau porque Chávez enfrentou o capitalismo e desafiou os Estados Unidos. Não importa que o presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados seja um racista, ou que o presidente da Comissão do Meio-ambiente seja um predador ambiental. Importa que a aparência-realidade seja aquela capaz de domesticar as pessoas de um modo tal que ou caminham sem a menor noção do seu significado, ou viram demônios.

“Ate o presente a comédia da existência ainda não se tornou consciente de si própria. Até o presente ainda vivemos na era da tragédia, a era das moralidades e religiões”, Nietzsche.

É como um pastor ou um papa renunciante promover a abertura de um espetáculo. Senhoras e senhores, com vocês a liberdade de expressão e todos os seus contrastes. O moralismo hipócrita das notícias distorcidas e falsas do JORNAL NACIONAL, ou dos púlpitos, tanto faz. No centro do palco Bonner, ou Waack, até o MANHATTAN COLLECTION, programa de seis ou sete telespectadores.

A crença que somos o produto de um agente. Que nossas ações não são outra coisa que não a soma ditada pelo agente, desde o simples ato de comer, ao medo de pisar na linha ou fora da linha, no massacre da liberdade de expressão na ótica e na lógica capitalista.

A perda da identidade, o papel representado, do qual não se pode arrancar a máscara sob pena de ser mandado às galés.

Emissoras de rádio e tevê são concessões de serviços públicos. Têm compromissos delineados numa lei arcaica, mas têm. A GLOBO “educa” com o BBB, paraíso masturbatório (às vezes mental) de milhões que como numa arena romana decidem sobre vida ou morte e toca essa manada nas novelas e no JORNAL NACIONAL, aqui como síntese de toda a sua ação.

O direito a informação real, ao fato real, inexiste; Liberdade de expressão passa a ser guiar a boiada. Condenem Bruno, execrem Chávez, silenciem sobre Renan Calheiros, sobre o deputado racista, sobre o “fiscal do ambiente” predador.

É relevante que no horário certo estejam todos atentos e sejam capazes de não destoar das instruções do grande irmão.

Liberdade de expressão é um direito inviolável de cada um, é assegurado pela carta constitucional. E está além dela, é quase ou é um direito natural.

Informação não. É um dever de emissoras de rádio e tevês, sejam locais, ou redes nacionais, prestar. Sem mascarar a verdade. Sem distorcê-la. Sem se transformarem em instrumentos de um modo de ser que joga pessoas num curral e trata-as como gado, que se pode tanger e depois moer.

Uma nova lei de meios, que regule o setor, que ponha fim ao monopólio existente, monopólio privado, é fundamental. Em abril de 2002, no golpe fracassado contra Chávez, as redes privadas de tevê noticiavam uma realidade e o fato era outro, tanto que, no domingo, ainda com as mentiras sendo divulgadas, Chávez voltou e voltou nos braços do povo.

O mesmo povo que a GLOBO esconde nas manifestações de dor e pesar pelo falecimento do presidente e transforma em “ato inconstitucional” uma decisão do governo venezuelano, dentro de um esquema maior, que está além de golpes ou tentativas.

O temor que a GLOBO e a mídia de mercado têm de uma lei de meios não é o fim da liberdade de expressão. É fim do domínio da comunicação, da informação, a pluralidade de ideias em debate e disponível às pessoas. Isso aterroriza, basta imaginar a farsa, que já está sendo percebida gradativamente (os índices caem sistematicamente), tendo a contrapartida, tanto nas ideias, quanto na informação pura e simples do fato.

“É sem dúvida o nosso tempo... Prefere a imagem à coisa, a cópia ao original, a representação à realidade, a aparência ao ser... Ele considera que a ilusão é sagrada, e a verdade é profana. E mais: a seus olhos o sagrado aumenta a medida que a verdade decresce e a ilusão cresce, a tal ponto que, para ele, o cúmulo da ilusão fica sendo o cúmulo do sagrado.” Feuerbach, prefácio da 2ª. edição de ESSÊNCIA DO CRISTIANISMO.

“Taí”. GLOBO, bancada evangélica, salvações mágicas, hipocrisia no falso moralismo, estão aí, Bonner, Edir Macedo e seus franqueados, Malafaia, Waldemiro, Bento XVI, cardeais sem noção dos escândalos dos documentos secretos.

Torna-se difícil a essa gente entender a dor do povo venezuelano pela morte de Chávez e sua dimensão mundial, sobretudo latino-americana, pois que olhou para pessoas como pessoas. Seres humanos como seres humanos e enfrentou a verdadeira luta, a de classes, onde o trabalhador é o eterno explorado.

Tudo isso é capitalismo. E mais as bombas que despejam para o saque das riquezas naturais de povos do mundo inteiro. Inclusive países da outrora poderosa Europa.

A liberdade de expressão não é uma via com mão única.





No hay comentarios.:

Publicar un comentario